Mosaico de Docência – Dr. Prof. Ismar Capistrano Costa Filho

Prof-Ismar

A Educação Desde a Comunicação

A escola já não possui, segundo Jésus Martín-Barbero, centralidade nos processos de socialização dos saberes. A educação formal não é a principal referência de conhecimento para jovens e adolescentes que, muitas vezes, aprendem com mais facilidade a partir das informações que circulam na internet, nos jogos eletrônicos, nas séries da TV e nas músicas das rádios. Alguns inclusive passam mais tempo usando estas tecnologias do que na sala de aula.

Esta tese do filósofo hispano-colombiano desenvolvida no livro “A comunicação na educação”, me fez recordar quando coordenava um Grupo de Trabalho de Comunicação e Educação na Conferência Regional da Comunicação do Sertão Central em 2010. Depois de quase intermináveis acusações sobre as deficiências escolares, uma professora tomou a fala e retruncou: “a escola não pode ser vista ou tratada como a culpada ou a soluçãode todos os problemas sociais”. Ela citou um exemplo de uma iniciativa de educação sexual que ela ministrouem sua turma do ensino fundamental. Através de um material didático aparentemente atrativo com uma colorida programação visual e repleto de ilustrações, ela iniciou a aula falando sobre os órgãos genitais e a reprodução sexual. Em pouco tempo, os estudantes, adolescentes do ensino fundamental, começaram a rir. Ela pensou que era uma manifestação da surpreendente novidade. A professora rapidamente questionou o motivo das risadas, mas quem se surpreendeu foi ela com a resposta: “Tia, nós já vimos isso com pessoas de verdade na internet e não com desenhos e bonecos! Hahahahaha!”. A constrangedora situação diminuiu as dúvidas da professora sobreo atual lugar da escola na disputa dos sentidos sociais e do conhecimento.

A situação denominada,por José Luís Braga, no livro “A sociedade enfrenta a midia”, de midiatização demonstra a centralidade que a mídia possui nas sociedades contemporâneas. Os meios de comunicação não são só referência na educação, mas setornaram centrais em quase todas as relações sociais. Os processos de exclusão-inclusão de valores, modos de vida, grupos sociais e saberes são reforçados e consolidados pela comunicação midiática. O debate público sobre as decisões políticas é negado, distorcido ou realizado pelos meios massivos. A vida pessoal é, muitas vezes, organizada em rotinas que necessitam do acesso à internet, da leitura de impressos, da assistência da televisão e-ou da audiência do rádio. Assim, mesmo que não sejam educativos, os meios inevitavelmente educam porque partilham os sentidos sobre a vida social. A questão é qual tipo de educação a mídia promove.

Paulo Freire já, na década de 1960, nos alertava que a educação é uma prática comunicativa que pode ser vertical e autoritária, concentrando a fala e o conhecimento num pólo emissor ou pode ser horizontal, ou democrática, possibilitando a participação ampla na construção coletiva dos saberes. Opondo-se à educação que ele denomina de bancária, o educador propõe assim que esta prática seja o encontro amoroso das pessoas, que mediatizadas pela palavra, possam dialogar, isto é, construama educação pela respeitosa troca de ideias, opiniões, informações e emoções. Este encontro só constrói sentidos horizontais ao relacionar-se com os diversos conhecimentos locais que circulam entre educador e educando, realizando a leitura dos textos a partir dos contextos.

Desta maneira, para possibilitar uma educação emancipadora, os meios de comunicação massivos precisam passar por uma radical e profunda mudança de suas práticas, processos e posturas. Ser uma mídia educativa significa não só inserir temas transversais, como cidadania, saúde e meio ambiente, em sua programação, mas tornar-se uma mídia participativa. Ou seja, a comunicação educativa exige a democratização dos meios que possam ter programação, produção, planejamento e gestão horizontalizados, estando no controle do público e não dos interesses empresarial que promovem predominantemente o consumismo insutentável, a distorção da política e a marginalização das diferenças.

Mesmo com todas as dificuldades, a educação formal pode asumir dois papéis neste processo, que podem colaborar inclusive para o reposicionamento social da escola. O primeiro é a promoção da leitura crítica dos meios de comunicação. Os estudantes não podem restringir seus conhecimentos à aprendizagem da leitura a textos literários e acadêmicos. É fundamental aprender ler a internet, os jornais, a televisão, o cinema… Para isso, é preciso compreender quais os interesses que permeiam a produção, o que foi omitido, as informações priorizadas e distorcidas e quais as consequências sociais. A escola deve também tornar-se um ecosistema de comunicação midiática, como defende o professor da USP, Ismar Soares de Oliveira. A criação de uma rádio, um jornal, blog, redes sociais e vídeos no ambiente escolar possibilitam não só a expressividade dos estudantes, como também repensar as relações entre discentes e docentes, rompendo com a centralidade da fala destes últimos. Além disso, a apropriação dos meios, possibilita os estudantes compreenderem suas competências e entenderem que todos possuímos o direito de comunicar-se. Este processo é denominado por autores como Cristina Matta, Cicília Peruzo e Elfrandy Maldonato de cidadania comunicativa.

Trazer a produção e a discussão da mídia para a educação, deslocaa importância dos meios para a escola. A educação passa a ser ambiente de articulação dos saberes que permeiam os diversos espaços comunicacionais. Acima de tudo, torna-se, sem grandes ambições, um espaço de debate, sobre a reflexividade entre meios e sociedade. Este deslocamento pode empoderar a legitimidade e o papel social da educação e repensar as práticas comunicativas.

Mosaico de Docência – Dr. Prof. Gilberto S. Alves

IMG_3053

AUTOR – Gilberto S. Alves, MD, PhD
Pós doutor em Psiquiatria – Goethe Universität
Professor Adjunto – Faculdade de Medicina – UFC

 

 

 

O que é a síndrome de BURNOUT?

 

O burnout é uma síndrome relacionada a exposição prolongada ao stress no ambiente profissional. O transtorno não é categorizado pelo Manual de transtornos mentais da Associação Americana de Psiquiatria(DSM-5), embora haja propostas para a elaboração de um diagnóstico específico. Já na Classificação Internacional das Doenças (CID-10), da Organização Mundial de Saúde (OMS), está listada entre as categorias ligadas no manejo da vida cotidiana (Z 73). Envolve sobretudo profissões de risco, como médicos, enfermeiros, aviadores, policiais, bombeiros, militares.

Dentre alguns fatores de risco conhecidos na literatura, estão as mudanças no ambiente de trabalho, principalmente a maior competitividade, mas algumas situações, como o assédio psicológico, podem ser desencadeantes. Como todo transtorno mental, a vulnerabilidade biológica, ou predisposição biológica ou genética, cumpre um papel importante. Além disso, fatores ligado ao temperamento e personalidade tem recebido atenção progressiva nas pesquisas mais recentes. Podemos conceituar de maneira mais simples o temperamento como um traço mais inato do comportamento humano. Por exemplo, quando observamos na maternidade o comportamento dos bebês, vemos que há aqueles que choram mais alto e os que dormem mais tempo. Ao longo dos meses, estas diferenças continuam a serem observadas;alguns bebês estranham com maior frequência pessoas estranhas, enquanto outros sorriem e parecem mais sociáveis ao contato. Por outro lado, a personalidade pode ser entendida como a soma das características do temperamento e a influência ambiental, como a educação, as experiências de vida, os estímulos da infância, etc. Um terceiro elemento importante para o desenvolvimento do burnout diz respeito aos chamados mecanismos de proteção ou resiliência, também conhecido como coping. Estes mecanismos funcionam como fatores protetivos e de enfrentamento à situação de stress e envolvem a mobilização de recursos psicológicos do próprio indivíduo.

As principais dimensões do burnoutsão a exaustão emocional, a despersonalização e a baixa realização profissional. A exaustão emocional, como sugere o próprio nome, é sensação de esgotamento psicológico, em geral acompanhada de intensa ansiedade, irritabilidade e angústia, por exemplo, quando o indivíduo no trabalho reage de maneira descontrolada e intensa a uma nova demanda de seu chefe ou ao excesso de pessoas a serem atendidas em uma repartição pública. A despersonalização, também conhecida como cynicism, pode ser compreendida como um sentimento de indiferença ou distanciamento afetivo frente aos elementos de stress do ambiente. Por exemplo, quando pessoas vítimas de assédio moral ou bullyingem uma reunião com seu chefe de trabalho deixam de manifestar, de exibir o intenso sofrimento psicológico como a angústia, choro, sensação de coração apertado, e passam a se comportar de forma mais fria ou indiferente. Longe de ser considerado um mecanismo saudável de enfrentamento psicológico, o cynicism pode esconder um intenso sofrimento psicológico reprimido pelo indivíduo. Por outro lado, a baixa realização profissional implica em um sentimento de baixa atração ou interesse pelo trabalho, como se esta atividade perdesse o sentido e importância na vida do indivíduo.

Como diferenciar o Burnout de outros problemas de saúde mental?

Para que o burnout possa ser identificado de forma mais confiável, dois fatores precisam ser levados em consideração. O primeiro deles é a elevada prevalência de transtornos mentais na comunidade, sobretudo o que se conhece na psiquiatria como transtornos do humor. Evidências de estudos populacionais estimam a prevalência dos sintomas depressivos em 15% e a presença de depressão maior em 1 a 3%. Aprevalência de transtornos de ansiedade ainda pode ser considerada mais comum e está em torno de 18 a 30%. É preciso lembrar que boa parte das pessoas portadoras destes transtornos ocupa posições ativas e não faz, nem nunca pensou em fazer algum tratamento em saúde mental.

Outro aspecto pertinente são os custos financeiros gerados pelos problemas psiquiátricos, entre eles o absenteísmo no trabalho, principalmente quando diagnosticados tardiamente. A psiquiatria responde sozinha por 10% dos encargos econômicos por saúde; a depressão, por 1,5% dos encargos, segundo dados da própria OMS, (Harvard University, Murray & Lopez, 1996). Daí a enorme importância de se buscar treinar os profissionais que integram equipes de saúde em empresas ou repartições públicas, sobretudo médicos, assistentes sociais, enfermeiros e psicólogos para o diagnóstico e acompanhamento destas condições clínicas, sobretudo nos grupos de risco, como é o caso de muitos funcionários com problemas na frequência e produtividade no trabalho.

 

Modalidades de tratamento na síndrome de Burnout

Uma vez que o diagnóstico é estabelecido, diversas modalidades de tratamento podem auxiliar o trabalhador que sofre com sintomas emocionais e comportamentais. Logicamente, é importante que o profissional esteja preparado para o adequado diagnóstico do burnout, já que esta síndrome pode ser confundida facilmente com quadro depressivos ou de ansiedade, ou em geral, os fatores estressores são menos determinantes para a persistência dos sintomas. De forma mais resumida e didática, podemos dividir o tratamento do burnout em estratégias farmacológicas e não farmacológicas. Antes de ir direto ao tema, é importante que o médico ou profissional responsável pelos atendimentos de funcionários desenvolva uma rede de encaminhamento efetiva. Ter contato com psiquiatras, psicólogos ou outros profissionais de saúde mental é importante para que o encaminhamento seja efetivo, direcionado e tenha mais chances de se transformar em um tratamento bem sucedido. Dito isso, as estratégias medicamentosas envolvem o uso de medicações antidepressivas e para a ansiedade, insônia ou qualquer outro sintoma correlato. No contexto do tratamento, é importante que o paciente receba a informação devida a respeito da indicação da medicação, potenciais efeitos colaterais e o resultado esperado, bem como dos riscos em relação ao não tratamento. Um dos muitos mitos que precisam ser desfeitos no inicio do tratamento é o de que o pacienteficará para sempre dependente da medicação. Prometo voltar a este tópico em publicações futuras neste blog, já que é necessário discorrer mais amiúde sobre o tema. Em resumo, é importante que se esclareça que ninguém fica pelo resto de sua existência dependente de qualquer medicação disponível comercialmente para uso como psicofármaco.

Em relação ao manejo não medicamentoso do burnout, diferentes abordagens estão disponíveis e a psicoterapia, ou acompanhamento psicológico, talvez seja a mais conhecida delas. Existem diferentes modalidades (ou escolas teóricas) de psicoterapia e é fundamental que o paciente receba orientações a respeito destas modalidades, para que possa com maior liberdade, escolher aquela com a qual se sinta mais identificado. Uma das abordagens psicológicas mais conhecidas é a teoria cognitiva comportamental. Nesta técnica, o paciente pode aprender a identificar pensamentos recorrentes (também conhecidos como distorções cognitivas) e que influenciam a ocorrência de sintomas, agravando a sua ansiedade. Um exemplo: ao sentir uma leve opressão no peito, o paciente pode desencadear uma série de pensamentos catastróficos, como será que estou enfartando?Tais pensamentos, por sua vez, podem acentuar o fluxo de pensamentos negativos, levando o paciente a desenvolver mais temores e preocupações ou a ter de vez a convicção de que está mesmo enfartando.

A maior difusão da informação nas mídias eletrônicas também tem permitido o uso em diversas empresas de escalas de avaliação do humor e comportamento, por exemplo, o inventário Maslach de Burnout, cuja versão em português pode ser acessada facilmente na web. As escalas tem entre outras vantagens, a facilidade no uso e interpretação, sendo um instrumento importante para o rastreio de pacientes e para decisões quanto ao diagnóstico e tratamento, embora evidentemente, não substituam à altura uma boa avaliação clínica.

Mais recentemente, algumas empresas brasileiras tem investido na formação de grupos de discussão e manejo de situações de trabalho difíceis. Nestes grupos, os profissionais são encorajados a expor suas dificuldades emocionais, frustrações e temores relacionados ao ambiente de trabalho. Uma das grandes vantagens dessa técnica é a oportunidade de compartilhar experiências e dificuldades, trabalhando o sentimento de empatia (isto é, de se sentir ouvido e levado em consideração sobre suas queixas), cooperação e motivação (é possível transpor barreiras até então inimagináveis no enfrentamento de situações estressoras). Mais recentemente, uma técnica que mistura elementos do budismo, transcendentalismo e psicologia – o mindfulness– ou atenção plena, tem sido difundida como uma estratégia eficiente para o controle dos sintomas físicos e psicológicos de ansiedade.

Em resumo, o burnout é uma síndrome clínica caracterizada por sintomas do humor importantes e três dimensões principais – a exaustão emocional, a despersonalização e a baixa realização emocional. Hoje o burnout é um importante problema de saúde, relacionado à piora da qualidade e vida do trabalhador, menor produtividade no ambiente laboral e elevados custos sociais e econômicos, os quais demandam uma revisão profunda das políticas públicas direcionadas ao seu enfrentamento.

 

 

 

Sugestão de leitura

 

  1. Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP comunidade – http://www.abpcomunidade.org.br/site/?page_id=70
  2. CARVALHO, J. A.; Nascimento AL et al. Entendendoostranstornosmentais. Rio de Janeiro : ABP editora, 2010, v.1. p.140.

Diálogos Didáticos – Profa. Dra. Marcela de Castro Ferracioli

Relato de Experiência na Carreira Docente: Aula Expositiva.

aaaaaaa

Profª. Drª. Marcela de Castro Ferracioli

Professora do Instituto de Educação Física e Esportes (IEFES)
marcelaferracioli@gmail.com

Ingressei na Universidade Federal do Ceará (UFC) em Agosto de 2014 quando tomei posse como docente dos cursos de Educação Física no Instituto de Educação Física e Esportes (IEFES). Dentre as diversas adaptações que passei ao longo desses anos (adaptação a uma nova cidade, a cultura nordestina e as atribuições do trabalho docente), a que mais me intrigou foi ministrar aulas para um grupo numeroso de alunos. Na minha experiência docente, até o momento, as turmas que eu havia ministrado aulas no Ensino Superior eram de, no máximo, 30 alunos e no IEFES as turmas variavam entre 40-60 alunos. Acostumada a utilizar slides para ministrar conteúdos das aulas de Aprendizagem Motora (4º semestre dos cursos de Educação Física), observei que a participação dos alunos na construção do raciocínio e da dinâmica da aula era muito limitada.

Sabe-se que o desempenho de um aluno em uma disciplina é dependente de uma série de fatores, como, por exemplo, interação aluno-professor, motivação do aluno, utilização de recursos tecnológicos e a maneira como o conteúdo e/ou tarefa é exposto (CYRINO & TORALLES-PEREIRA, 2004). Na literatura, ainda há contradição sobre a eficácia do método tradicional de aula expositiva, em que o professor discorre sobre um tema e pode usar ou não diferentes recursos para isso. Assim, tendo em vista a baixa participação dos alunos quando eu ministrava aulas apenas com utilização de slides, decidi ministrar um semestre de aula apenas com exposição dos conteúdos no quadro branco.

Dentre as diferentes mudanças que observei, a principal delas é que os alunos se dedicavam mais a prestar atenção às aulas, tendo em vista que elas não estavam mais “prontas” e “disponíveis” como são quando apresentadas em slides. Os alunos passaram a fazer mais anotações, mais perguntas e interagir mais comigo enquanto ministrava os conteúdos. Além disso, comparei o desempenho dos alunos de um semestre em que ministrei aulas apenas com exposição dos conteúdos nos slides com o desempenho dos alunos de outro semestre em que ministrei aulas apenas com exposição dos conteúdos no quadro branco. O resultado da comparação do desempenho dos alunos entre esses semestres mostrou que, apesar de não haver diferença significativa entre as notas obtidas nos mesmos processos de avaliação, a média das notas dos alunos que assistiram às aulas com exposição dos conteúdos no quadro branco foi superior à média das notas dos alunos que assistiram às aulas com exposição dos conteúdos em slides.

Com base nessa comparação, concluo que a dinâmica adotada quando da utilização do quadro branco (estimulação da escrita dos conteúdos e construção do raciocínio ao longo da aula) pode favorecer o desempenho dos alunos em vez daquela mais proposta pela utilização de slides “prontos”. Assim, mesmo sendo tradicional, a aula expositiva pode ser transformada em atividade dinâmica, participativa e estimuladora. Desde então, venho adotando cada vez mais a utilização da exposição dos conteúdos no quadro branco ao invés da utilização de slides para ministrar aulas na UFC.

Referência:

CYRINO, E. G; TORALLES-PEREIRA, M. L. Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(3):780-788, mai-jun, 2004.

Mosaico Docente – Prof. Dr. Ismar Capistrano Costa Filho

Da apropriação cultural para a interculturalidade

Apropriação cultural é um conceito utilizado, pelo menos desde a década de 1960, principalmente, nos Estudos Culturais Britânicos, originados no Centro de Estudos de Culturas Contemporâneas da Universidade de Birmingham, através de autores como o britânico Raymond Williams e o jamaicano Stuart Hall. O conceito também é largamente operacionalizado nas investigações de História por pesquisadores como o inglês Peter Burke e o francês Michel de Certeau. Apropriação, como o último define é o ato de tomar os artefatos, costumes e comportamentos de outro grupo cultural como seu. É uma inevitável circulação que demonstra não haver pureza cultural. Todas as culturas possuem, mesmo com significados e usos diferenciados, elementos de outras. Assim as culturas se constituem híbridas, como afirma o antropólogo argentino Nestor Garcia Canclini, ou mestiças, como denomina o filósofo colombiano Jesús Martín-Barbero. Stuart Hall, por exemplo, defende que a intensificação do hibridismo antecede ao processo de globalização do final do século XX. Para ele, a colonização europeia acentuou o inevitável encontro e mistura das culturas.

Mosaico Pedagógico – Profª Drª Andréa Araújo de Vasconcellos

Relato de experiência na carreira docente

Em fevereiro/2014 passei no concurso para Professor Efetivo do Curso de Odontologia da Universidade Federal do Ceará, Campus de Sobral, para a área de Prótese e Oclusão, com carga horária de 20h/semanal. Tive a oportunidade de, junto aos outros professores da área, ministrar aulas para os alunos do 5º ao 10º semestre, no período de 2014 e 2015, e ainda de orientar Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e participar de várias bancas avaliadoras. Como o concurso não exige Dedicação Exclusiva, fui convidada para coordenar o Curso de Aperfeiçoamento em Prótese Fixa com duração de 1 ano, no Instituto Cearense de Especialidades Odontológicas (ICEO), onde formamos 4 turmas. Lá, tive a oportunidade de ministrar aulas teóricas, atividades de prática laboratorial e extenso atendimento clínico com pacientes, e foi minha primeira experiência de assumir a coordenação de um curso de Pós-Graduação. Nesse contexto, além de estar à frente do curso, participei da dinâmica de organização de cronograma, relação de materiais para laboratório e clínica, organização com os pacientes e acompanhamento de todos os casos clínicos.

Diálogos Didáticos – Profª. Drª. Mariana Monteiro Xavier de Lima

A prática do Trabalho Integrado no Curso de Design

Profa Mariana

Profª. Drª. Mariana Monteiro Xavier de Lima
Professora do Departamento de Arquitetura e Urbanismo
lima.mmxavier@gmail.com

A proposta de realização de Trabalhos Integrados (TIs) está prevista no Projeto Pedagógico do Curso de Design da UFC e faz parte de um conjunto de estratégias empregadas pelo corpo docente para a estruturação e desenvolvimento do curso. A integração contempla os eixos curriculares criando oportunidade para a síntese e para a abordagem interdisciplinar do conhecimento construído por meio das disciplinas. Isso se dá por meio de um problema cuja resolução exige a aplicação do conteúdo abordado em um mesmo semestre, resultando em um trabalho que é objeto de avaliação comum entre todas as disciplinas envolvidas.

Mosaico Pedagógico – Profª Drª Emanuelle Kelly Ribeiro

O estudante de Design-Moda da UFC e seu olhar sobre a produção artesanal

A observação da relação estabelecida entre designers e artesãos no contexto das intervenções voltadas para o desenvolvimento e atualização do artesanato no interior do Ceará gera uma série de questionamentos sobre o tipo de formação que vem sendo dada aos designers responsáveis por aplicar as metodologias de design na produção artesanal.

A partir de entrevistas realizadas com estudantes do curso de Design-Moda ao longo do ano de 2016, pode-se perceber que há, ainda, muita incerteza sobre a prática das intervenções no artesanato.

Mentores de Docência – Profª. Drª. Bernadete Porto

(Postado originalmente no Blog em 14.07.2013 em Mentores de Docência)

Em 2011 a CASa/UFC criou um espaço de homenagem aos Mentores de DocênciaNestes encontros, os docentes que atuam na UFC indicam e homenageiam os professores que marcaram positivamente suas vidas. Nestes encontros os Mentores homenageados compartilham suas histórias narrativas biográficas, inspirando uma ação docente comprometida e transformadora.

Mas o que é ser Mentor?

Bernadete Porto, professora da FACED/UFC que participou da criação destes encontros, nos fala sobre “ser mentor”.