Mestre Machado – Apresentação

mestremachado-01SOBRE A COLUNA

Mestre Machado:

Machado de Assis foi um mestre das letras e também dos temas relativos à alma humana. A experiência de ler seus textos é reveladora de nossa própria condição, e quem lê acaba se sentindo lido por ele. Está tudo lá: nossas fraquezas, nossas ambiguidades, nossos sonhos, nossas frustrações, nossos medos.

“Mestre Machado” é sobre as reflexões que Machado de Assis nos deixou e que são aplicáveis na vida de qualquer um, em especial na vida de um professor. Engana-se quem acha que em sua obra há apenas historinhas sobre triângulos amorosos e ganância. Esse é apenas o mote. Entre uma cena e outra, entre um beijo furtivo e uma morte triste, há os comentários, a glosa, a revelação, e essa digressão é tudo. Como disse Drummond, falando dele: “Outros leram da vida apenas um capítulo, tu leste o livro inteiro.”

Sobre o autor:

Meu nome é Raul Nepomuceno, sou professor do Departamento de Direito Público da UFC, leciono Direito Penal e Criminologia. Sou casado com Aline e pai de Ana e de Bruna. Nas horas vagas, que são poucas, encontro nos textos Machado de Assis fonte de riso e de melancolia, tudo junto e misturado, como uma coisa apenas, diante dos enigmas da vida.​

Mosaico Discente – Iarlla Silva

Iarlla Silva Ferreira

Estudante de Enfermagem/UFC  – Bolsista CASa

Para mim, a experiência mais marcante até hoje na universidade com um docente foi no 3º semestre. Pelo simples fato de a Professora ter utilizado uma metodologia de ensino-aprendizagem diferente de qualquer coisa que eu já havia visto. O nome da metodologia é Grupos Tutoriais* e eu não conhecia nem tinha ouvido falar. Entretanto, essa metodologia me atraiu de uma forma que, até hoje, a disciplina abordada é uma das minhas favoritas e uma das quais eu ainda me recordo veemente. Eu tinha grande interesse nas discussões em sala de aula e, em casa, me sentia intrigada, logo, estimulada a pesquisar e estudar para saber como terminaria aquela problematização. Posteriormente, em semestres seguintes, algumas professoras tentaram abordar a mesma metodologia, mas não aplicaram da forma correta e não deu muito certo. Pelo que os meus colegas relatam, a maioria da turma foi totalmente a favor dessa metodologia, compartilhando dos mesmos sentimentos e ideias que eu. Gostaria que essa metodologia fosse aderida em outras disciplinas, acredito que ela torna o estudo mais dinâmico e interativo, de forma que o aluno se sente estimulado a estudar fora do ambiente de sala de aula, ou seja, completando ainda mais a sua formação acadêmica. Sabendo que, os alunos se limitam ao conhecimento aprendido em sala de aula.

Diálogos Didáticos – Prof. Rafael Lima

EXPERIÊNCIAS NA MELHORIA PEDAGÓGICA DE DISCIPLINAS DOS PRIMEIROS SEMESTRES DE ENGENHARIA

Francisco Rafael Marques LimaFrancisco Rafael Marques Lima

Meu nome é Rafael Lima e sou professor do curso de Engenharia da Computação no campus Sobral da Universidade Federal do Ceará (UFC) desde 2010. Fui aluno na UFC desde o início da graduação em 2001 à conclusão do doutorado em 2012. Sou responsável principalmente por disciplinas direcionadas ao estudo das telecomunicações. Relato a seguir experiências e estratégias que foram desenvolvidas em conjunto com bolsistas de monitoria para reverter as dificuldades identificadas nos alunos ingressantes em engenharia.

Mosaico Discente – Maurineide Gomes

Relato de Maurineide Gomes do NascimentoGraduanda em Pedagogia na Universidade Federal do Ceará – UFC – Bolsista da CASa (maurineideee@yahoo.com.br)

Antes de qualquer coisa confesso que é gratificante e engrandecedor escrever sobre a minha experiência como estudante no curso de Pedagogia da Universidade Federal do Ceará, descrevendo a relação de construção cognitiva emancipadora e consciente, pontuando a convivência entre aluno e professor em sala de aula, que se baseia por meio do respeito e por uma paixão avassaladora que convergem em direção ao conhecimento.

O Que se Vê na CASa

Homens de Honra

Homens De Honra

Baseado em fatos reais, o filme conta a saga de Carl Brashear até conseguir realizar seu sonho de ser mergulhador na Marinha dos Estados Unidos. Negro e de origem pobre, Carl sofre muito preconceito. Quando finalmente consegue ser aceito na Marinha, é selecionado para ser cozinheiro, única função que podia ser exercida por negros.

Mesmo depois de muita batalha para passar da cozinha ao mar, Carl sofre com as maldades e dificuldades propositalmente impostas pelo seu chefe. Ao superar todos os obstáculos, ele se torna o primeiro mergulhador-mestre negro da Marinha dos Estados Unidos. Além disso, foi o primeiro a ser reintegrado após ter uma de suas pernas amputadas.

O preconceito racial é o tema principal do filme e nos leva a pensar sobre a ideia distorcida que algumas pessoas ainda hoje têm da existência de uma raça superior e na inconsistência de qualquer preconceito e não somente do racial.

O Que se Ouve na CASa

Estudo Errado – Gabriel, o Pensador.

 

A música conta a história de Juquinha, um estudante que discorda do o sistema educacional em vigor. Acreditando que a escola é uma preparação para a vida, Juquinha cobra aulas com assuntos mais interessantes e úteis. Há uma reflexão quanto à participação dos alunos em sala de aula e do professor no processo de formação desses estudantes: “Eu tô aqui pra quê? Será que é pra aprender ou será que é pra sentar, me acomodar e obedecer?”

A maneira nada dinâmica que muitos professores conduzem suas aulas, o método decoreba, infelizmente, acaba sendo o utilizado pelos alunos para conseguir boas notas nas avaliações.

“Quase tudo que aprendi amanhã já esqueci. Decorei, copiei, memorizei mas não entendi. Decoreba: esse é o método de ensino. Eles me tratam como ameba e assim eu não raciocino. Não aprendo as causas e consequência, só decoro os fatos.”

Apesar do interesse claro que Juquinha tem de aprender, a escola não ensina o que ele gostaria de saber.

“Eu gosto dos professores e eu preciso de um mestre mas eu prefiro que eles me ensinem alguma coisa que preste: o que é corrupção, pra que serve um deputado…não me diga que o Brasil foi descoberto por acaso ou que a minhoca é hermafrodita ou sobre a tênia solitária, não me faça decorar as capitanias hereditárias”.

A canção vale para a reflexão de como a melhora na forma de ensino e uma reestruturação do currículo dado nas escolas pode incentivar os alunos.

Mentores de Docência – Profª. Drª. Bernadete Porto

Em 2011 a CASa/UFC criou um espaço de homenagem aos Mentores de Docência. Nestes encontros, os docentes que atuam na UFC indicam e homenageiam os professores que marcaram positivamente suas vidas. Nestes encontros os Mentores homenageados compartilham suas histórias narrativas biográficas, inspirando uma ação docente comprometida e transformadora.

Mas o que é ser Mentor?

Bernadete Porto, professora da FACED/UFC que participou da criação destes encontros, nos fala sobre “ser mentor”.

  

Encontros de Formação

Em 2010 a CASa/UFC criou os Encontros de Docência com um dos espaços de desenvolvimento e formação docente. A Prof. Dra. Bernadete Porto, responsável pela criação desta atividade, relata os princípios que nortearam sua criação e condução. Postaremos depois um texto da Profa. Dra. Rozimar Machado, atual responsável por estas atividades na CASa.

 

Encontro de Formação para a Docência no Ensino Superior

Com o objetivo de reunir docentes e discentes na promoção e na troca de experiências, tendo em vista a aprendizagem coletiva, a Comunidade de Cooperação e Aprendizagem Significativa iniciou, em 2009, um processo pedagógico de construção de ações para o desenvolvimento humano e pedagógico, com caráter contínuo, dialógico e formativo com os docentes recém-ingressos na Universidade Federal do Ceará.